Informamos que o telefone 2262-0487 está em pane. Caso precise entrar em contato ligue para 21 98487-8003.

Giro

Girocópteros

Autogiro ou girocóptero é um tipo de aeródino cuja sustentação em voo é fornecida por asas rotativas. Ao contrário dos helicópteros, o rotor gira independentemente do motor, em autorrotação, como resultante aerodinâmica do movimento à frente. A propulsão é fornecida por uma hélice convencional movida por um motor.


História

O primeiro autogiro foi o C.4, desenvolvido e construído por Juan de La Cierva, tendo feito o primeiro voo em 9 de janeiro de 1923, pilotado pelo inventor no Aeroporto de Madrid de Cuatro Vientos. A intenção de Juan era projetar uma máquina que fosse capaz de se manter no ar mesmo se o motor deixasse de funcionar. Para isso usou dos conceitos do avião que utiliza uma força horizontal para decolar, mas, com asas rotativas que girassem independentes do motor para manter a sustentação no ar. Após três dias do primeiro voo, o motor do C.4 sofreu uma pane durante um voo, mas o piloto de teste conseguiu manter a estabilidade e o controle do autogiro até o pouso. Esse incidente demonstrou a segurança dos conceitos adotados por Juan de La Cierva.

As aeronaves de asa rotativa não conseguiam manter a estabilidade no ar, até o voo do C.4. O problema, estava no fato de que durante uma volta completa das hélices, a sustentação era gerada somente em metade do percurso. A inovação de Cierva foi criar um rotor articulado, que mudava o ângulo das hélices a medida em que elas giravam. Dessa forma, elas passaram a criar sustentação durante todo o tempo, assim permitindo a estabilidade durante o voo. Esse conceito de rotor articulado foi de extrema importância para a criação dos helicópteros, anos mais tarde. O esporte de voar, recebeu um aliado altamente seguro e prático,
O primeiro girocóptero brasileiro surgiu através do engenheiro ALTAIR COELHO o AC-4 Andorinha. cujo projeto foi cedido para seu amigo MONTALVA. A partir dos anos 80 o Montalva iniciou sua fabricação em série dos girocópteros junto seu filho JOSÉ CARLOS. Foram fabricadas 447 unidades.

Por que rotores em vez de asas?

  • Os rotores são muito menos suscetíveis à turbulência do vento: os rotores rotativos têm carga de asa "alta". Eles voam a 300 km / h e respondem às rajadas de vento, como se estivessem pendurados em uma corda elástica muito longa. As estruturas estáveis utilizam a potência e a insensibilidade do rotor para fornecer carga de trabalho do piloto muito mínima e segurança e conforto máximos em turbulência do vento que manteriam a maioria das outras aeronaves em terra.
  • Os rotores não param: a atitude total e o controle de voo estão disponíveis até a velocidade zero (ou em descidas verticais). As curvas difíceis de carga G não preocupam as "paradas aceleradas".
  • Potência de controle muito alta: como o piloto realmente move o disco do rotor através de um poderoso controle “cíclico”, o piloto tem muitas vezes mais autoridade de controle do que o vento sobre a aeronave. A coordenação da rotação dos pedais não é importante aerodinamicamente, porque há um mínimo de guinada e não há preocupações de travar / girar na aeronave de rotor - não há "guinada adversa!"
  • Capacidade de pouso muito lenta e curta: os rotores, mesmo para os aviões, armazenam energia para permitir que as aeronaves pousem “como um pássaro” em áreas difíceis e curtas - uma tremenda capacidade de segurança. A aeronave de rotor pode variar sua inclinação inicial da aproximação de aterrissagem da descida vertical à taxa máxima de planeio - outra tremenda capacidade para aproximações precisas de aterrissagem de emergência. Os rotores podem fornecer recursos de vento cruzado muito altos, mas também podem "pousar ao vento" com um mínimo ou zero de rotação!
  • Manobrabilidade muito alta: devido ao alto poder de controle "cíclico", a capacidade de desacelerar rapidamente em curvas difíceis, perdoando as características da guinada e a insensibilidade à turbulência de aeronaves de aeronave bem estabilizadas, a manobrabilidade de aeronave de rotor excede bem e com segurança a de qualquer outro tipo de aeronave.
  • Os giroplanos podem ser muito simples e confiáveis: o giroplano médio possui menos partes móveis do que a maioria dos outros aviões de tamanho comparável. Os chassis são estruturalmente muito compactos, sem componentes altamente em balanço ou sensíveis à carga G. Os rotores naturalmente "derramam" G acima de 2 G, aliviando a maioria dos problemas de carga G.
  • Os giroplanos estáveis podem ser as aeronaves mais seguras para voar: Por causa de tudo isso, e com um design de estabilidade adequado, os giroplanos podem ser os aviões esportivos mais seguros e fáceis de pilotar disponíveis. Com tecnologias de estabilidade cada vez mais aceitas e compreendidas, os problemas tradicionais de segurança com os aviões, como PIO e buntovers, são problemas de segurança facilmente evitáveis.
  • Giroplanos estáveis podem ser os aviões esportivos mais fáceis de pilotar e aprender a pilotar: No entanto, os giroplanos voam de maneira diferente dos aviões, e um bom treinamento e o "treinamento de transição" são importantes para qualquer aeronave. Trabalhe com um instrutor competente - “conhecimento é segurança” e “o que você não sabe, não sabe, pode machucá-lo”.